Buscar
  • Laboratório de Neurofarmacologia

Biopeptídeos, seus usos e potencial opção de tratamento para o COVID-19


Olá, inventores. Como vão? Hoje vamos falar um pouco mais sobre o queridinho da Biointech: os peptídeos. Vamos saber um pouco mais sobre as aplicações farmacológicas e cosmetológicas dessas moléculas?

Peptídeos são pequenos compostos formados por aminoácidos que têm diversas funções no organismo, podendo atuar como neurotransmissores, hormônios, analgésicos e até antibióticos. Como a maioria de todos os processos naturais dentro do corpo são sinalizados ou modulados pela interação de peptídeos ou fragmentos de proteínas, esses compostos prometem uma ampla gama de aplicações terapêuticas. O uso dessas moléculas para fins industriais e comerciais tem muitas vantagens, como a facilidade de descoberta e síntese, alta especificidade e afinidade a seus alvos, baixa toxicidade, etc. Apesar de ainda haverem desafios em relação ao uso desses compostos, como baixa biodisponibilidade e suscetibilidade a sofrer proteólise, essas moléculas ainda tem um enorme potencial, e milhões de dólares são investidos nelas a cada ano.

Esses pequenos polímeros são muito usados pela indústria de cosméticos, especialmente em tratamentos faciais. Na pele, essas moléculas são capazes de controlar o ciclo celular, promover a renovação celular e a produção de colágeno, responsável pela firmeza e jovialidade da pele. Nesse sentido, já existem inúmeros peptídeos com ação rejuvenescedora aprovados para uso em humanos demonstrando ótimos resultados. Também estuda-se a capacidade de peptídeos produzidos pelo sistema imune inato de combaterem acne e outras dermatoses. Essas condições muitas vezes estão associadas a bactérias e a compostos liberados por elas, e alguns peptídeos produzidos pelo sistema imune inato, como defensinas e LL-37, conseguem se ligar a esses compostos bacterianos, neutralizando-os, diminuindo a inflamação no local e, consequentemente, melhorando o quadro clínico.

Por fim, os peptídeos também podem ser usados como fármacos no tratamento de doenças como a Covid 19, causada pelo vírus SARS-Cov-2. O vírus ataca nossas células através da ligação da proteína S da membrana celular viral com a proteína ACE2 do hospedeiro. Após a ligação entre essas duas proteínas, uma série de interações moleculares ocorrem de modo a que aconteça a fusão entre as membranas celular e viral e a subsequente inserção do material genético do vírus dentro do seu hospedeiro. Os peptídeos estudados pelos cientistas têm duas estratégias de ação: impedir a ligação da proteína S com o receptor ACE2 e impedir a fusão de membranas, protegendo a célula da infecção viral. Várias dessas moléculas estão sendo testadas com essas duas abordagens. S VanPatten, M He, A Altiti, K F Cheng, M H Ghanem, Y Al-Abed. Evidence supporting the use of peptides and peptidomimetics as potential SARS-CoV-2 (COVID-19) therapeutics. Future Medicinal Chemistry, 12(18), 1647–1656. 2020;




Que os peptídeos são incríveis, a Biointech já sabia. Esperamos que esse post tenha conseguido te mostrar um pouco do potencial dessa molécula tão especial, que inclusive é comercializada pela nossa empresa.


Está esperando o que para fazer um orçamento com a gente?



Referências


S VanPatten, M He, A Altiti, K F Cheng, M H Ghanem, Y Al-Abed. Evidence supporting the use of peptides and peptidomimetics as potential SARS-CoV-2 (COVID-19) therapeutics. Future Medicinal Chemistry, 12(18), 1647–1656. 2020;

K Fields, T J Falla, K Rodan, L Bush. Bioactive peptides: signaling the future. Journal of Cosmetic Dermatology, 8, 8–13. 2009



31 visualizações

Posts recentes

Ver tudo